Baby blues: a melancolia pós-parto

Você sentiu um desânimo, uma tristezinha ou melancolia no pós-parto? Não conseguiu ser aquela mãe de comercial de margarina, feliz e sorridente após a chegada do bebê? Demorou um tempinho para sentir aquele louco e incondicional amor pelo seu filhote? Ficou com um pouco de vergonha em parecer desnaturada e evitou comentar com os outros? Você pode estar sofrendo do chamado baby blues.

Trata-se de um fenômeno muito comum, tipicamente hormonal, bem mais leve do que a depressão pós-parto. Causado pelas mudanças hormonais bruscas, o baby blues é passageiro, com sintomas que costumam acabar no primeiro mês. Já a depressão geralmente é duradoura e acontece mais frequentemente com pessoas que já sofriam do problema antes ou que passaram por algum trauma.

Não há como evitar o baby blues, já que as causas são hormonais. Pode acontecer ou não com você. Mas o importante é deixar a família ciente do problema, explicando que isso é normal e passa. Ou então, procurar ajuda médica em caso de suspeita de depressão.

Quando minha primeira filha nasceu, experimentei levemente o baby blues, mas tive vergonha de falar. Aliás, estou falando sobre isso pela primeira vez.  No primeiro mês, eu só chorava, junto com minha princesa. Não conseguia curtir. Me sentia um ET!

Uma colega havia tido filho na mesma época e apareceu aqui em casa com aquela cara de mãe feliz e realizada. Eu estava destruída. Não entendia o porquê, mas sabia que havia algo errado. Eu queria a minha filha e não senti rejeição, mas ao mesmo tempo queria minha vida de antes. Passado um mês, fui voltando ao normal e foi aí que experimentei o amor incondicional e virei a mãe babona que sou até hoje! Mas, antes, estava anestesiada.

Se for o seu caso, não se desespere. Você não é uma mãe má. Repito: isso é mais comum do que imaginamos. Só que muitas pessoas se silenciam e parece que isso não acontece ao nosso redor! Converse com sua família e leia a respeito. Você vai ver que não é a única!

Slide3

Comments

comments

Author: Paola Lobo

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook