Socorro! Estou Grávida de Trigêmeos!!!

TRI FOTO

Descobrir que estava grávida de trigêmeos foi surreal. Aos trinta e sete anos, havia tentado dar um irmãozinho para minha filha de oito, sem sucesso. Após várias tentativas, já achava que meu ovário quase quarentão havia desaprendido a trabalhar. Ou não estava mais a fim. Finalmente, quando desisti, quando achei que não podia mais, quando me conformei das vantagens de ter um filho único e adotar um cãozinho, engravidei.

Fomos fazer a primeira ultrassonografia. Eu estava com aquela calma e serenidade de mãe de segunda viagem, que até se esqueceu de levar a mídia para gravar o momento. Pouco antes de começar o exame, fiz uma brincadeirinha boba, já que minha mãe é gêmea. “Doutora, olha direito aí dentro para fazer a contagem porque minha mãe é gêmea”, falei, descontraída, certa de que essa herança genética nunca me atingiria. Foi quando a médica deu um risinho bobo. Gelei. “É, tem dois aqui”, disse ela.  Naquele momento, achei que iria infartar. Meu corpo inteiro começou a tremer e o pânico tomou conta daquela segura e serena mãe de segunda viagem. Eu não sou de dar escândalos, mas o hospital inteiro pôde ouvir meu choro: “Ai meu Deus!!! Ai meu Deus!!! Ai meu Deus!!!”. A responsabilidade e o medo de criar mais dois filhos foram as únicas coisas que vieram à minha cabeça. Quando pensei que não conseguiria ouvir mais nada à minha volta, a doutora me arrebatou: “Tem mais um aqui! São TRIGÊMEOS!”.

Nunca mais vou esquecer da cara da médica, do tom de voz e do risinho ao completar a notícia. Acho que ela também nunca vai se esquecer de mim. Voltei a chorar, só que três vezes mais forte: “Ai meu Deus!!! Ai meu Deus!!! Ai meu Deus!!!”.  Como assim??? Como assim, gente??? Agora, era a responsabilidade e o medo de criar mais TRÊS filhos. E tem ainda a questão biológica! “Eu só tenho dois peitos!”, gritei, já pensando que dois bebês seriam amamentados enquanto o terceiro ficaria chupando o dedo.

Percebendo que a situação estava preta e que o hospital inteiro deveria estar ouvindo meu choro, a médica foi chamar minha filha e meu marido para acudir. Quando ele entrou e viu a cena, pensou que eu estivesse grávida de um unicórnio. Não tinha a mínima idéia do que havia acontecido, mas estava certo de que alguma coisa havia fugido da normalidade. Eu gritei para ele: “São TRÊS! São TRÊS!!!”. Também nunca vou me esquecer da cara de pasmo que ele fez, olhando para a tela de boca aberta, com a língua para fora. Ele não conseguia rir nem chorar. Estava paralisado.

A única pessoa que estava calma ali dentro era a minha filha de oito anos, que achou tudo muito legal e comemorou: “Oba!!! Minha família vai ser de seis pessoas!!!”. Realmente as crianças têm o dom de olhar o lado bom da vida, sem aquele implacável filtro da preocupação que tira o brilho dos olhos dos adultos. Acho que elas estão certíssimas. Somente ela pôde perceber naquele primeiro momento a verdadeira bênção que estávamos recebendo. Só ela notou o quanto bem-aventurados fomos de ver a família dobrar de tamanho de uma vez só. Coisas que perceberíamos somente mais tarde. Saímos do hospital desnorteados, com todos na sala de espera nos olhando e comentando.

Depois dessa primeira ultrassonografia, fiquei com trauma de fazer novos exames. Aquela salinha me apavorava. Aquele avental me apavorava. Fui a uma segunda clínica e fiz o exame com outra médica para fazer a recontagem dos bebês. Vai que houve algum erro na imagem… Àquela altura do campeonato, minha preocupação era saber se havia um quarto escondido por ali.

Minhas pernas quicavam de tanto tremer. Lá veio a doutora com aquele bastão da ultrassonografia transvaginal, que parece uma mistura de taco de golf com o dedo do ET. Queria muito que os homens passassem periodicamente por isso. É de colocar qualquer exame de próstata no chinelo. A médica confirmou a presença dos três futuros bebês e deu uma geral para ver se havia mais algum companheiro ali dentro. Até o quadril eu tive que levantar para ela vasculhar direito. Na próxima encarnação, venho homem. Acho que ela procurou um quarto bebê até no meu tórax. Nada. Agora era o inverso: fiquei aliviada por serem APENAS três.

Slide3

Comments

comments

Author: Paola Lobo

Share This Post On

14 Comments

  1. kkkkk, eu tambem quando descobri fiquei sem palavras meu marido quase caiu para trás. Logo quando a medica introduziu o aparelho de ultrasom eu vi os 3 sacos gestacionais só conseguia pensar meu Deus, meu Deus, meu Deus kkkkkk mas não falei nada estava minha mãe e meu marido comigo. O mais engraçado foi minha mãe que quando a medica falou é são 3 ela abriu a porta da sala e quase saiu correndo para contar para meu pai kkkk a medica deu uma bronca nela kkkkkk. Mas ficamos sem chão e sem reação também. Muito bom seu blog. Deus os abençoe!

    Post a Reply
    • Auda, que delícia ouvir uma história parecida!!! Obrigada, viu?

      Post a Reply
  2. Nossa senhora, rindo até 2025, fiquei imaginando as reações na hora..kkkkk imagino que a partir daí é que começaram suas noites sem dormir…kkk

    Post a Reply
  3. Que bom ouvir a sua historia porque o meu sentimento é o mesmo, to apavorada.

    Post a Reply
    • Izabel, minha amiga, acabei de tomar a liberdade de te mandar um e-mail! Não te conheço, mas quero dizer que você entrará para o time das mães piradas e que sua vida será maravilhosamente extraordinária! Estou na torcida e tenha certeza de que tudo vai dar certo!!! Um beijo enorme!!!

      Post a Reply
  4. Gente, estou rindo litros!!! Que narração hein!? Só tenho um filho, mas tenho medo de arriscar o segundo. Minha mãe teve gêmeos. Já pensou receber a notícia de gêmeos ou trigêmeos? Teria a mesma reação.

    Post a Reply
    • Tem gêmeos na família? Olha o perigo…rs Grande beijo!

      Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook