Meu filho cospe o remédio

O homem já foi à Lua, seres vivos já foram clonados, as comunicações estão avançadíssimas, mas ainda não inventaram uma maneira mais simples de dar remédio para criança. Você que tem filho pequeno sabe o sufoco que é colocar 5 ml de qualquer medicamento goela abaixo.

Como assim não inventaram uma pílula minúscula que dissolve na boca da criança para substituir aquele antibiótico na seringa? Como assim não criaram um pozinho SEM GOSTO para ser colocado em pequenas quantidades no leite ou no suco, sem que o bebê perceba, tipo um “Boa noite, Cinderela”? Minha gente, vamos evoluir.

O que me intriga é que a indústria farmacêutica tenta fingir que o remédio é gostozinho. Faz um antibiótico cor-de-rosa para conquistar a molecada, mas não capricha no gosto. Flúor de dentista também é rosa e tem um sabor “ânsia de vômito”. Quer enganar quem, meu amigo? Acho que seria melhor se não tivesse gosto de nada.

O pior é a operação de guerra para colocar 5 ml na boca do filhote. O pai segura a criança e a mãe vem com a seringa. O filho entra em pânico. O pai não trava a cabeça do filho e a mãe briga com ele. Enquanto isso, o bebê cospe o remédio, que escorre pelo pescoço. O negócio é grudento e não sai com paninho molhado. Tem que rolar banho. Você ainda fica na dúvida da quantidade que realmente entrou. Ou seja, todo esse estresse pode ter sido em vão.

Agora, imagine isso três vezes seguidas? Os trigêmeos detestam remédio. Fogem quando vêem a bacia. Isso mesmo: preciso de um recipiente grande para trazer as vitaminas, os medicamentos, o soro do nariz… Eles saem correndo e a gente vai atrás. Parece o dono catando o cachorro fujão para tomar banho. Quando pegamos um, os outros ficam nervosos e gritam também. Uma loucura.

Já desisti de ficar rica. Quem tem quatro filhos não fica rico. Mas, se um dia eu virar milionária, parte da verba da filantropia vai para a pesquisa científica dos “remédios não cuspíveis”. O carinha que inventar a tal da micropílula vai ganhar uma bolsa de estudos vitalícia. Enquanto isso não acontece, fico aqui limpando o pescoço emporcalhado da galerinha, rezando para essa fase passar logo.

Comments

comments

Author: Paola Lobo

Share This Post On

36 Comments

  1. Kkkkkk aqui em casa mesma coisa, mas aprendi a eu mesma segurar o bebê e por a seringa no canto da boca dele e ir devagar , quem me ensinou foi o farmacêutico e não é que resolveu . Mas que dá maior dó isto da =

    Post a Reply
  2. Aqui qualquer 1 mísero ml é o começo da terceira guerra mundial! Soro no nariz então… Aqui dou remédio e tapo o nariz do guri, uma enfermeira me ensinou no hospital. Quando vi ela fazendo nem acreditei, ele não teve tempo de provocar ânsia como fazia comigo, verdadeiro milagre! Parece tortura, mas não é 😉

    Post a Reply
  3. Se todos os remédios fossem igual a enterogermina…sem gosto e sem cheiro, seria ótimo…só falo : vamos tomar aguinha…pronto abre a boca que é uma beleza…agora chega com outro remédio pra ver?????? affffffff

    Post a Reply
  4. Aprendi apontar a seringa para a buchecha pq ele não dá conta de cuspir. Aqui sempre deu certo! Tente aí,afinal sua amostra é bem maior q a minha. Kkkkk

    Post a Reply
  5. Aqui em casa eu finjo que tomo e é gostoso ela logo quer tomar também e não é que dá certo,às vezes ela ainda quer mais

    Post a Reply
  6. Afff aki é assim mesmo, a minha odeia tomar remédio, cospe tudo. Por último resolvi colocar a seringa na boquinha dela e peço pra ela chupar, qd ela chupa eu injeto o remédio aí já foi, já engoliu tudo depois sai desesperada pedindo água. Só assim ta resolvendo.

    Post a Reply
  7. Os meus trigêmeos dão trabalho pra tudo, dormem mal, brigam entre si, um não come nada… Mas pelo menos tomam remédio numa boa! Ufa! Se bem que eu preferia que cuspissem o remédio mas dormissem direitinho. Rsrsrs

    Post a Reply
  8. Aquii é bem tranquilo, desde bb nunca tive problema em dar remedio ao meu Miguel, hj com 2 anos e 4 meses, ele msm pede o remedio, me lembra rs e ainda quer mais kkkkk adora ! Só o sulfato ferroso gotas que é chatinho !

    Post a Reply
  9. O meu filho (1a9m) fazia um dramalhão para tomar remédio. Perdi a conta das roupas manchadas.
    Mas, não mais do que por acaso, solucionei o problema.
    Comprei colheres que têm desenhos no fundo (avião, Mickey, Snoopy). Agora eu faço mágica, coloco os remédios, o ferro por cima e digo que o avião desapareceu. O menino abre a boca, toma tudo e ainda bate palmas por ter encontrado o avião.

    Post a Reply
    • Eu falava para minha filha que ela estava virando bruxa e que tinha que tomar o antídoto rápido ! Funcionava e depois ela corria para o banheiro para ver se fez efeito !

      Post a Reply
  10. Sei que da dó gente mas a minha qdo era pequena só trancando o nariz dela aí era obrigada a engolir e não conseguia cuspir!

    Post a Reply
  11. Minha filha sempre tomou todos os remedios e xaropes possíveis!!! #sortudaeu mas imagino como deve ser… rs

    Post a Reply
  12. Aki tem tenho q ser ninja.. seguro corpo.. cabeça. . E di na seringa. . Se marca seguro a boca ainda fechada ainda.. kkkkkkkk.. mas eh mtoo tensoo.. demorei pra aprende as táticas do “piazito” aki

    Post a Reply
  13. Gente estou apaixonada pelo blog! Eu tenho um filho so de 2 anos e agora me imagino com 3, kkkk…melhor nem imaginar que fico doida!!!
    Aqui em casa tb remédio é um estresse… Qd falam que é gostoso parece que é pior…estes dias a medica passou um que disse que ele ia adorar que é uma balinha para chupar pq disse que era igual uma jujuba, so que não…
    foi um infernoooo…os outros líquidos ainda tento colocar no suco ou leite e as vezes vai mas este não da. Ele não chupa e o troço não pode ser diluído. Dai fico empurrando o remédio na boca dele amassando ate dissolver todo e rezando que tenha conseguido absorver pelo menos parte dele
    Bom saber que não estou sozinhaaa!!!

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook