Relato de parto, por Izabella Mendonça

Hoje faz 1 mês e 7 dias que meu milagre, minha filha, nasceu. Porém, durante minha gestação eu recebi notícias que foram recebidas como facas a cada pré-natal realizado.

Com 24 anos eu me vi casada com um homem por quem me apaixonei em pouco tempo. Esse mesmo homem tinha o desejo de ser pai e então meio que “planejamos” a nossa filha (nunca fizemos nenhum tipo de  prevenção).

Eu tinha ovários policísticos, estava com suspeita de endometriose e estava pra marcar uma consulta com meu ginecologista pra confirmar ou não a endometriose. Nesse meio tempo e com 5 meses de relacionamento, eu engravidei. SIM! Loucura mesmo.

Descobri que estava grávida com quase 2 meses de gestação. Foi um mix de alegria e preocupação. Com quase 3 meses, fiz a primeira ultrassom. Estávamos super ansiosos pra saber se estava tudo bem com nossa bebê. Meu esposo pegou o celular e começou a gravar a ultra, aí então um silêncio percorreu a sala e meu esposo perguntou se estava tudo bem, então a primeira notícia: “estou vendo uma translucência bem alterada aqui. Mas preciso analisar melhor pois esse aparelho não é bom (SUS).”

Meu coração gelou… Perguntei pra médica o que era translucência e ela pacientemente me explicou que era um indício de que tem (ou não) algo errado com o bebê, e que pode ser uma síndrome. O silêncio retomou e eu e meu esposo ficamos tensos. Não que nossa filha não fosse amada por ter alguma síndrome, mas toda mãe e pai sonham com seus filhos perfeitos e com boa saúde.

Saí da sala sem chão, meu primeiro bebê corria o risco de ter síndrome. Quando cheguei em casa fui pesquisar e achei muitas, mas muitas síndromes  mesmo. Fiquei ainda mais assustada pois em algumas o bebê nem sobrevivia após o parto. Foi horrível.

Me mudei pra outra cidade onde poderia ser acompanhada de perto por professores de medicina que estudam síndromes. Resumindo: a TN foi confirmada. Nesse tempo de gestação recebi notícias como: “mãe, seu bebê só tem 1 rim.” “mãe, seu bebê tem uma CIV perimembranosa (má formação cardíaca)”, ” mãe, seu bebê só tem uma artéria no cordão umbilical”, “mãe, seu bebê passa boa parte do exame (passava 1h dentro da sala de ultrassom) com as mãos fechadas, pode ser síndrome de Edward”.

Gente… Era cada notícia que me matava por dentro… Já estava com medo de ir fazer ultrassom. Até que as semanas foram passando e resolvi descansar em Deus, entregar tudo nas mãos dele. Fiquei ansiosa e nervosa pois não quis fazer a cariotipagem (exame pra descobrir se ela tinha mesmo ou não alguma síndrome). Eu só queria vê-la, sentir em meus braços, beijar e  abraçar.

Com 30 semanas, o médico (amigo) que iria acompanhar meu parto no hospital junto com o médico do pré-natal me recomendou não fazer o parto lá, pois o hospital estava passando por uma época precária.

Os exames eram particulares, mas o parto seria em hospital universitário. Eu tinha plano mas todos os médicos diziam que não era um plano bom. Mais uma vez, confiei em Deus e resolvi ir pra o meu plano de saúde. Lá expliquei meu caso e fui sendo atendida pela urgência até chegar o momento. 31, 32, 33… 41 semanas, meu tampão saiu mas eu não estava em trabalho de parto.

O médico não queria induzir pelas condições em que minha bebê se encontrava. Na ultra dizia 3,800kg, eu tenho 1,57 de altura, me preocupei. Sonhava com o parto normal mas não dava pra esperar mais uma semana, foi feita a cesárea.

Na sala de cirurgia eu estava a mais de mil e me contendo pra não ter um piripaque kkk. Com 6 minutos do início da cirurgia a médica já manda chamar meu esposo pois iria nascer. Ela estava toda colada do lado direito e deu trabalho pra sair. Meu esposo entra nervoso e a primeira coisa que pergunta é se está tudo bem comigo, eu respondi que sim. Logo após os primeiros cliques da câmera eu ouço o choro dela, a emoção foi tão grande que nem consegui chorar.

Aos poucos meu esposo ia me falando que ela tinha mão esquerda fechada e uma deformação no ombro. A mão é igual a da síndrome de Edward. Choquei, passei mal na sala de cirurgia, uma falta de ar me deixou nervosa e fui colocada pra dormir. Meu peito apertava de nervoso.

Depois de algumas horas meu esposo veio com minha filha, linda. Maravilhosa. Na mesma sala de pós-operatório ficaram mais 2 moças, o nome das filhas delas era igual ao da minha: MARIA. As 3 tiveram problemas de saúde, uma com microcefalia, a outra com problema grave no coração e a minha ainda não sabíamos o que era.

Após algumas horas fui pra o apartamento, e lá vi minha princesa em detalhes, a pediatra veio logo em seguida e descartou a síndrome de Edward. UFA! Mas que ela precisaria ser estudada por um geneticista.

Passamos 1 semana no hospital, fazendo exames nela pois, foi encontrado outro problema no coração. Eu implorei a Deus que a gente saísse de lá com ela nos braços, com vida e saudável. Assim foi.

Após uma semana fazendo exames e mais exames, nossa bebê saiu do hospital, ainda precisando fazer exames no coração (hoje ela não tem nenhum problema cardíaco 🙂 e precisava ser acompanhada com um geneticista.

Ainda não temos diagnóstico da deformação da minha princesa mas, pesquisei sobre as características que ela tem e achei uma deformidade bem parecida com a dela, que tem como fazer cirurgia para melhorar e a mão da está abrindo aos poucos.

Minha filha hoje é meu maior orgulho, minha maior motivação,  minha alegria e desespero constante. Aprendo tudo sozinha (eu e o google) pois minha mãe é falecida e aqui não tenho muitos amigos. É difícil mas não há nada que eu não faça pela minha filha.
A todas as mamães… Tenham fé sempre, a fé move montanhas.

81a19ba0-c9fd-4f31-97f8-f29af49f449f

Obrigada, mamãe, por compartilhar esse momento! Você tem uma história bacana pra contar? Basta escrever para contato@maepirada.com.br e enviar uma foto sua com o(s) filhote(s)!  Vamos ficar muito felizes!

Você também vai curtir:

Comments

comments

Author: Paola Lobo

Share This Post On

31 Comments

  1. Que história linda! Me arrepiei! O amor é superior a tudo! Que Deus esteja sempre com vocês!!

    Post a Reply
  2. Izabella, nao há nada impossível pra Deus e Ele nunca desampara o clamor de uma mãe.Que Deus possa estar à frente de tudo…que sua filha possa(e já é) testemunho de um milagre.Nos mantenha informados sobre sua princesa.Que Deus abençoe vcs.
    Beijos

    Post a Reply
  3. Izabella, estou grávida de gêmeos e um deles também não tem um dos rins. É muito triste receber a notícia porque como mães a única coisa que desejamos realmente é a saúde dos bebês. Minha acupunturista tem uma teoria, que todos esses bbs que nascem com algum probleminha, guardam um dom, algo especial com eles. Que Deus abençoe vc e sua bb.

    Post a Reply
    • Nao se preocupe muito mamae, meu marido perdeu um dos rins com 9 anos e o outro rim sempre funcionou bem, hoje ele tem 44 anos e nunca teve problema no outro rim.

      Post a Reply
    • Ah, e o nosso filho cacula apresentou uma alteracao no rim esquerdo nas ultimas ultras, quando ele nasceu nao viram nada de errado mas tivemos que repetir a ultra passados 6 meses, viram que ele tem um rim com um probleminha mas ja fomos no especialista e ele falou que da para ele viver tranquilo, nem tratamento eles passaram pois nao esta afetando em nada ele, ele urina normalmente. Gracas a Deus!

      Post a Reply
    • Essa preocupacao, eu sei que eh normal, coisa de mae mas nao se preocupe que tudo dara certo com os seus bebes!

      Post a Reply
    • Simone Canejo, para Deus, nada é impossível! Seus filhos terão uma vida linda, cheia de amor e saúde, viu? <3

      Post a Reply
    • Luciana Cardoso, minha bebê tá super bem a única coisa que atrapalha ela é o coco que demora horas pra sair kkk fora isso, tudo muito normal. Saúde pra nossos bebês e muita energia pra gente aguentar o pique

      Post a Reply
  4. Que depoimento lindo! Obrigada por abrir seu coração pra gente.

    Deus abençoe sua família!

    Post a Reply
  5. Olha que historia linda Katia Cruz Gonçalves, Deus faz milagres e me emocionei com a historia. Acima dos medicos ha um medico maior: Deus!!!

    Post a Reply
  6. Que história bonita, de amor. Que Deus abençoe essa família, que tudo fique bem.
    Na gravidez do meu mais velho não passei por isso de nos ultrassons ver algo errado, mas passei maus momentos, no mesmo dia que soube da gravidez tive um descolamento de retina, e por não poder operar grávida perdi a visão. Passei a gravidez toda tensa, rezando para que desse tempo de operar após o nascimento dele e depois que soube da perda tive medo de perder a visão do outro olho. Ainda tenho medo, mas entreguei nas mãos de Deus, Ele que sabe tudo.

    Post a Reply
  7. Isso é coisa que se faça com uma pessoa manteiga derretida, Izabella Mendonça?! Maldade, rum. Que Deus continue abençoado você e a Maria

    Post a Reply
  8. Me emocionei….que Deus abençoe muito vcs…família linda!!!Muita força,fé e união!

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook